terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

SUCESSO PESSOAL: 5 erros evitados pelos mentalmente fortes


Muito se fala em postura mental, mas nem sempre é fácil compreender exatamente as diferenças entre a mentalidade de pessoas que obtêm resultados diferentes na vida. Com “diferentes”, eu quero englobar resultados ‘bons’ e ‘ruins’, ‘positivos’ e ‘negativos’, mas com qualificação de ‘consistência’.
Mas o que isso significa?
Pessoas com uma postura mental forte, proativa, positiva consistentemente obtêm bons resultados como consequência de seus esforços, apesar de poderem, como qualquer ser humano, eventualmente sofrer perdas, frustrações, enganos, traições e derrotas.
Pessoas com uma postura mental fraca, reativa, negativa consistentemente obtêm resultados indesejáveis como consequência de seus esforços – ou da falta deles, apesar de poderem eventualmente gozar de resultados ‘sortudos’ ao longo da vida.
O que quero ilustrar é que exceções não devem ser motivo de desculpa para invalidar um ponto de vista sólido, embasado em estatística. Ou seja, depois de ler um artigo como este, não será útil para você começar a pensar em todos os casos exceção que não se enquadram nos modelos que exponho aqui, do tipo: “ah, mas eu conheço uma pessoa que é totalmente negativa e vive conseguindo resultados positivos” e coisas do gênero.
Exceções sempre existem, mas não são a regra. É importante compreender esse ponto para diagnosticar a si mesmo, o que é o objetivo deste artigo: levá-lo a identificar onde você se encontra na escala da postura mental, mais para o lado positivo, forte ou mais para o lado negativo, fraco. Isso é definido pela média das suas atitudes e resultados que você obtém, não importando se vez ou outra você “tem sorte” ou “tem azar” e acaba obtendo resultados diferentes dessa média que você apresenta com mais homogeneidade ao longo do seu dia-a-dia. Nós chamamos este comportamento mais frequente de ‘padrão’, ou seja, você tem um padrão mais positivo ou mais negativo, apesar de, de vez em quando, passar para o outro lado.

Dito isso, nós vamos ver a seguir algumas posturas que pessoas com padrão mental positivo não fazem e sendo assim, acabam tendo como resultado muito do que lhes acontece de positivo na vida.


1. Pessoas mentalmente fortes não desperdicam tempo, atenção e energia com coisas que não podem controlar


Você já deve ter passado por isso ou conhece alguém com esse padrão, que é muito comum. A pessoa se sente ansiosa, se estressa, tenta controlar, obter informações, etc., sobre coisas, pessoas e eventos as quais ela não tem o menor controle.
É aquela coisa, ao invés de nos prepararmos para a tempestade, perdemos tempo e energia desejando que a tempestade não viesse.
A preocupação, em geral, não leva a nada. No máximo, um senso de responsabilidade nos ajuda a nos preparar para eventualidades e eventos negativos que tememos que possamos passar ou sabemos que vamos enfrentar. Fora isso, se sentir apreensivo com relação ao tal evento não nos levará mais perto de uma solução melhor, não afastará a probabilidade dele ocorrer, apenas atrapalhará a qualidade do nosso presente, não nos deixando viver em paz em um momento em que não estamos enfrentando o tal problema.
Pessoas mentalmente fortes não são irresponsáveis, elas se prepararam para eventualidades negativas, mas é só isso. Uma vez que tudo o que elas poderiam fazer esteja feito, elas não pensam mais no assunto.

2. Pessoas mentalmente fortes não abrem mão de seu poder pessoal


Pessoas fracas mentalmente ou negativas com frequência dão poder demais para pessoas com autoridade ou que têm alguma coisa que elas querem. Nesse processo, elas se tornam um “tapete” e são constantemente pisoteadas por aqueles que tomaram seu poder pessoal.
Muitas mulheres, infelizmente, ainda sofrem desse mal herdado das gerações anteriores e dão seu poder nas mãos dos homens em suas vidas que as fazem de gato e sapato. É claro que temos também muitos exemplares do sexo masculino com o mesmo padrão de comportamento.
Numa tentativa de ser cordial, não arranjar confusão, ser bonzinho e ajudar, a pessoa abre mão da própria autoestima para que outros a controlem. O ser humano é bicho ruim! Não adianta querer ser bonzinho demais achando que vivemos em um mundo de fantasia, onde as pessoas reconhecem nossa benevolência e sinceridade.
Nós não vivemos nesse mundo perfeito e pessoas fortes sabem disso, elas compreendeem instintivamente a psiqué humana e elas sabem que devem manter todos na rédea curta e nunca se abrir demais, nunca dar espaço para que os outros se aproveitem.
Pessoas fracas temem ter qualquer atitude que possa ‘afastar’ os outros ou torná-las antipáticas aos olhos alheios. Acontece que o efeito é justamente o contrário! Pessoas fortes que não admitem serem controladas ou manipuladas são admiradas e respeitadas, enquanto os bonzinhos acabam sendo pisoteados desrespeitosamente e sofrem bullying.
Não é uma questão de começar a ser grosso, estúpido com as pessoas e não ajudar ninguém, mas sim de impor respeito e limites, não permitindo com que ninguém, nem família, nem cônjuge, nem filhos os ultrapassem.
A assertividade, o domínio da arte da comunicação, é um fator importantíssimo nesse processo. Saber dizer ‘não’ sem dar uma de antipático, colocar os “pingos nos i’s”, deixando as coisas claras e impondo limites bem definidos é algo que pessoas fortes sabem fazer muito bem – e isso faz toda a diferença!

3. Pessoas mentalmente fortes não se autovitimizam

A autovitimização é uma armadilha profunda, como um poço escuro: fácil de cair, muito difícil de sair e sem luz alguma lá no fundo.
Pessoas fracas com frequência se autovitimizam, elas culpam situações externas, os outros, o governo, a economia, até mesmo Deus por tudo o que não acontece em suas vidas, tudo o que é negativo, tudo o que é indesejável.
A questão é que o sucesso na vida não é uma questão de justiça e isso é algo que pessoas positivas entendem muito bem. Não é como se agora fossemos nos culpas por tudo o que nos acontece. Às vezes a culpa é dos outros mesmo! Às vezes a culpa é da economia, é do governo, é do destino. Mas e daí? E é nesse “e daí” que mora a diferença entre os positivos e os negativos!
Enquanto os negativos se apegam nessas justificativas injustas que explicam sua “falta de sorte”, os positivos seguem em frente. Não deu certo? Ah, que pena! Deixa eu tentar de novo! Isso sem drama, sem choradeira, sem perder tempo maldizendo o “culpado”, mesmo que haja um!
O fato é que não importa “quem” é o culpado ou se o que ocorreu com você foi injusto, você vai ter que se coçar para resolver a situação, paciência!
Quanto mais tempo você desperdiçar choramingando as mágoas, com raiva do que lhe aconteceu e quem fez acontecer, mais tempo você perde que poderia estar sendo usado reconstruindo o que lhe foi tirado. Uma coisa é certa: quem lhe prejudicou, por mais injusto que tenha sido, não vai resolver a sua vida!

4. Pessoas mentalmente fortes não têm medo de riscos

Os ariscos de plantão precisam entender uma coisa: progresso só ocorre quando há mudança e existe risco e toda mudança. Na realidade, estar vivo já é um risco, já que podemos tropeçar e nos quebrar ou simplesmente morrer das mais diversas formas o tempo todo, por mais bizarro que isso possa soar…
Hipoteticamente, tudo pode dar errado e tudo pode dar certo. Há outra máxima interessante para pensarmos também: dadas tentativas o suficiente, tudo o que pode acontecer, vai acontecer.
Eu ouvi isso de um professor quando ainda estava na faculdade, há uns 40 anos! Nunca mais esqueci e muito do que fiz na vida em termos de riscos foi com base nessa esperança, de que se eu tentasse repetidamente, o resultado que eu queria eventualmente iria ocorrer. Nunca fui uma pessoa irresponsável, mas em diversos momentos da minha vida, eu lembrava dessa frase e tratava minhas decisões como um jogo de dados. Eu ía tentar, se não desse eu jogava os dados de novo, e assim por diante. Consegui muita coisa dessa forma, simplesmente mantendo esse raciocínio aberto de que eu poderia fazer qualquer coisa e qualquer coisa poderia acontecer. Você pode argumentar que coisas ruins também poderiam acontecer seguindo esse raciocínio, e eu diria que você está certo, mas fora eventualidades, resultados negativos mesmo dependem muito mais de quantas vezes você tentar, somada com as outras posturas que eu descrevo aqui. Fatalidades sempre podem acontecer, é claro, mas quando estamos falando em resultados de ações que se compõem no médio, longo prazo, essas características que estamos vendo aqui falam muito mais alto do que eventos aleatórios, bons ou ruins, que ocorrem na vida de todo mundo.
Nesse sentido, a capacidade de assumir riscos calculados, ou seja, não riscos impulsivos, é o que define nosso grau de progresso na vida. Se você nunca jogar os dados, você nunca obterá sequer um único resultado em um determinado jogo.
Essa característica eu acredito que seja até mesmo a mais importante diferença entre pessoas bem sucedidas e as digamos, fracassadas. O fracasso, apesar do termo tão pejorativo e negativo, às vezes atinge pessoas altamente inteligentes, capazes, proativas, honestas, trabalhadoras, tudo de bom. O que as torna perdedoras é que elas, em algum momento, desistiram de jogar os dados e se contentaram com um resultado medíocre que obtiveram em algum outro jogo.

5. Pessoas mentalmente fortes se focam no presente olhando para o futuro

O que quer que tenha ocorrido no passado, de bom ou ruim, deve ficar por lá. Aprendemos com o ocorrido, mas não choramos o leite derramado, nem ficamos presos nos sucessos que já passaram. A vida continua. Pessoas mentalmente fortes respeitam o passado, sem colocar nada para baixo do tapete, mas emocionalmente elas já se desligaram.
Por outro lado, elas também não ficam tão encantadas com o momento presente, “curtindo a vida” que se esquecem de que a vida continua mesmo e que devem se preparar para o amanhã e também construir sonhos.
Essa caractecterística tem muito a ver com a inteligência emocional, que é a capacidade de domar as emoções, usando-as de maneira adequada tanto com os outros tanto quanto em si mesmo. A prisão no passado ou a ilusão com o futuro tem muito a ver com as emoções, por isso dominar essa característica exige maturação da vida emocional. Isso pode envolver fazer as pazes com o passado, perdoando quem nos feriu ou a nós mesmos, se cometemos erros graves. Envolve também o pragmatismo para dominar a tendência de sonhar acordado com o futuro, ignorando o presente e só “se preparando” para a suposta vida de sonhos.

FONTE:  http://www.excellencestudio.com.br/postura-mental/5-coisas-que-pessoas-mentalmente-fortes-nao-fazem.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esse texto