sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Sintomas de bem e mal estar: desista da busca


AUTO CONHECIMENTO
Auto conhecimento é buscar conhecer-se, segundo as diversas tradições espiritualistas e escolas de psicologia de todos os tempos.
Mas não é só isso. Mais do que saber quem ou o que você é, o trabalho de auto conhecimento consiste em resolver um problema, digamos, interno, ou seja, buscar a causa daquilo que lhe está fazendo sofrer. 

Assim como o técnico em informática busca as causas do problema que está impedindo o computador de funcionar corretamente, você busca, pelo trabalho do auto conhecimento, as causas que estão originando o seu mau viver. Mau viver é tudo aquilo que não lhe deixa viver em paz: insatisfação, medo, frustração, angústia, pré-ocupação, ansiedade, impaciência, enfim, a lista é infinita...



MAL VIVER É SINTOMA
As pessoas em geral confundem todos esses fatores citados acima como CAUSA do sofrimento. Mas mal viver, viver com medo, ansiedade e insatisfação é SINTOMA. É efeito e não causa.
Se o corpo adoece, acometido de um certo mal, logo surgem os sintomas. Se é uma gripe, os sintomas são mal estar, nariz entupido, espirros, febre. Não são essas coisas que estão causando a gripe. É a gripe que está causando esses sintomas. 

É partir dos efeitos que se remontam às causas, reza um velho ditado espiritualista.
Assim, do mesmo modo, se há um sofrimento moral como angústia, medo, ansiedade, tudo isso são SINTOMAS, são efeitos, e não causa. 

Cabe então buscar o que está causando, provocando esses sintomas.
Não vamos complicar aqui, dizendo que a causa é o seu egoísmo, as escolhas que você faz, que a causa é você, em uma palavra – se bem que é!

Do mesmo modo que há o termômetro que, em medindo a temperatura do corpo identifica que o paciente está com gripe, pois esse sintoma da gripe leva a identificá-la como causa da febre, há também um termômetro, que não falha, na identificação dos sintomas que está fazendo você viver mal.
Esse termômetro é o sofrer ou ser feliz. Se há um estado de ansiedade, insatisfação, medo, angústia, sensação de fracasso, cansaço, o próprio sofrimento avisa que o teu modo de viver, a partir das escolhas que você faz é que está gerando tudo isso.

Assim também, se os sintomas são alegria, satisfação, tranquilidade, despreocupação, o seu “termômetro interno” avisa que você está fazendo as escolhas certas, que a causa desse bem estar é o teu modo de viver, e viver bem.



DESISTA
Como saber se as escolhas que estamos fazendo são as responsáveis pelos sintomas que nos levam ao bem ou ao mal viver?

Você está insistindo numa certa busca, seja de ganhar dinheiro, de se aperfeiçoar num instrumento musical, de fazer algum trabalho novo, persistindo num relacionamento doentio e isso tudo isso só tem lhe trazido preocupação e insatisfação, então o teu termômetro interno está lhe avisando que você no caminho errado...

Desista! Faça o teste: experimente largar essa busca desenfreada de ganhar dinheiro; de ser o melhor nesse ou naquele instrumento musical; desista do relacionamento que está lhe fazendo mal ou do novo trabalho que você está fazendo e que nada dá certo. Se você desistir e sumirem todos aqueles sintomas que se traduziam em dor e incômodo, não é sinal de que você estava fazendo as escolhas erradas? De que estava no caminho errado?

Sábio é aquele que, logo no começo, sabe captar, identificar esse processo, e já no início, desiste!

Um dos pressupostos do empirismo – uma corrente de pensamento científico – diz que não precisamos colocar a mão no fogo duas vezes para saber que ele queima.

“Não, mas isso vai passar; o relacionamento está difícil, a pessoa não me respeita, mas tenho que ter paciência, indulgência com as imperfeições alheias, que um dia, a pessoa vai mudar e tudo vai ficar bem”. 

Não, não vai. Ter indulgência com os defeitos do outro é reconhecer que ele tem o direito de ser como é. Mas isto não significa que você deva se submeter a um relacionamento doentio sob o pretexto de estar sendo indulgente com as imperfeições do outro. E a tua auto indulgência, onde é que fica?

Desista! Ao menos faça o teste: experimente afastar-se, ‘dar um tempo’, como se dizem, e veja se você se sente melhor ou pior. Se se sentir melhor, então o termômetro acusou a causa dos sintomas. Do mesmo modo, você está se esforçando para ser um bom músico, ser reconhecido. Já faz isso, ou seja, estuda, pratica horas por dia o teu instrumento, e contudo, não arruma um emprego, não consegue ganhar dinheiro, e sobretudo não é reconhecido. Desista! Desista e tente ver se a angústia de não ganhar dinheiro e ser reconhecido passa.

De outro modo ainda, você está tentando fazer um negócio para se dar bem, para ganhar dinheiro. Mas não aparece esse bom negócio. Você percebe que a lógica do mundo é sempre ganhar e nunca perder e que, sendo assim, todos estão, como você, buscando sempre ganhar e nunca perder. E quando você não consegue ganhar, sofre com isso. Quando perde, sofre mais ainda. Faça o teste: experimente parar de buscar um bom negócio para se dar bem. Passou a angústia, o medo de não ganhar? Então o termômetro identificou a causa do seu mal estar.

Desistir daquilo que lhe faz mal, que lhe incomoda e não lhe permite viver bem não é sinal de fracasso, afinal você tentou, deu tudo de si, empenhou toda a sua criatividade, o seu talento, trabalhou duro em cima daquilo, seja no relacionamento, nos estudos ou no trabalho, mas aquilo só te trouxe inquietações e mal estar. Então você desistiu e recuperou a paz, a tranquilidade que você não estava conseguindo com aquilo. Não é uma prova de sabedoria?

E não vem ao caso aqui saber o porquê de aquilo não estar dando certo para você. “Ah, mas para fulano deu certo”. Deu certo para ele, mas para você não deu, pois, cada um é diferente. Para ele pode dar certo, mas para você não.

Assim, desistindo, de desistência em desistência você vai caminhando no sentido de encontrar o teu certo, o teu bom, o teu politicamente correto e enfim, o teu bem estar, o teu bem viver, que é o teu estado natural de ser. Como? Fazendo o teste do termômetro. Não tem outro jeito de aprender a ser feliz. Infelizmente não nascemos com manual de instruções de como ser feliz. O método é o da tentativa e erro. Você tenta, erra, tenta, erra... até acertar! Como sabe que errou? Porque está sofrendo com aquilo. Persistir não é burrice? Não é ausência de sabedoria? E como sabe que acertou? Porque o termômetro identifica sintomas como alegria, bem estar, satisfação e auto realização. 

Não persista! “Vou até o fim, mesmo que der com os burros n’ água”. Se no começo do trajeto, até a metade do caminho você está se sentindo mal, sofrendo nessa trajetória, por que ir até o fim se você já está com os burros n’ água? Não é burrice?

Não persista! Ao contrário, desista! Não há nenhuma sabedoria em passar uma vida inteira sofrendo para lá no final colher um resultado promissor, que supostamente o deixará feliz. Seja feliz agora, neste exato momento. Se o teu trabalho, o teu estudo, os teus projetos, os teus relacionamentos atuais já estão neste exato momento lhe causando dor e desconforto, o termômetro já avisa que é hora de desistir. “Ah, mas todos sofrem para conseguir as coisas”. É uma escolha delas. Se você quer fazer a mesma escolha, ou seja, viver sofrendo para lá na frente obter um prêmio para a tua luta, vá por sua conta e risco.

Desista, e seja feliz no agora, pois, você nem sabe se estará vivo amanhã, e se morrer, levará consigo o teu mal estar de agora, pois a consciência não morre, uma vez que ela é que dá origem a tudo. Desista! O termômetro não falha: sofrimento acusa escolhas erradas, persistência em caminhos errados. Bem viver, bem estar, acusa que você está no caminho certo, no teu caminho certo, pois o que é certo para você pode não ser para os outros.

Se você quer ser feliz e pode ser feliz agora, já, neste momento, por qual razão você está escolhendo uma vida de privações e desconforto no agora? Para buscar um final feliz, uma recompensa lá no fim?

Faça o teste! Experimente-se! Veja se o que você está fazendo agora, neste momento está lhe causando sensações de alegria ou desconforto, e você saberá, com este método infalível, quando você deve ou não continuar neste ou naquele tentame, neste ou naquele projeto, trabalho ou relacionamento.Para o seu próprio bem, desista já de tudo aquilo que não lhe faz bem.

E, para aquilo que lhe faz bem, não é preciso fazer nenhum esforço, nenhuma busca, pois é uma decorrência natural daquilo que você É. É preciso fazer esforços para ser infeliz e fracassado na vida. Para ser feliz e vitorioso basta ser o que você é, desistindo de tudo aquilo que não lhe faz bem e não lhe traz conforto e realização.

Percebe como a questão não é de se fazer esforços para se buscar um estado de felicidade e bem estar que está alhures e distante, e sim de desistir dessa busca?

Não faça nada, não busque nada. Apenas desista!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esse texto