sábado, 25 de outubro de 2014

De Erro em Erro... Até Acertar


Muitas pessoas dizem: "Nossa, parece incrível! Nada dá certo para mim. Estou com falta de sorte no amor". Outras dizem que quando estão chegando ao fim de um projeto, desistem, porque se sentem enfraquecidas, incapazes de concluir uma tarefa que já vinha sendo desenvolvida há anos.

E aí começa o imenso rol de reclamações, atribuindo a culpa ao outro, a fatores externos: "É, foi porque tinha que ser assim"; "Não era para ser meu"; "Foi deus que quis assim".


Contudo, analisando retrospectivamente todo o trabalho que você vinha desenvolvendo com vistas a um certo fim, você superou obstáculos, mas quando chegou na reta final, e exigiu coragem para ir até o fim, na hora em que você mais precisou de você, você se abandonou, você mesmo não deu forças para você. Por que então culpar o outro? Não seria mais lógico, e óbvio, retomar, recomeçar de onde se parou e prosseguir?

Desafio é desafio. Não há desafio fácil ou difícil. Não dá para comprar o final feliz como se compra votos, como se compra um lugar na faculdade ou entrar por indicação em um bom emprego. Um nadador terá que nadar até o fim numa prova de 100 metros "craw", por exemplo, e terá que nadar mais rápido que os outros. Ninguém vai nadar por ele, porque os outros estão nadando por si e para si mesmos também.