domingo, 17 de agosto de 2014

Libertando-se dos Contratos Familiares

LIBERTE-SE DOS CONTRATOS FAMILIARES - 
CÓDIGOS QUE IMPEDEM QUE SEJA SI MESMO 


Os contratos familiares são uma espécie de “códigos” situados no mais profundo de nossas mentes, em forma de crenças e todo tipo de inibições que paralisam.

Marianne Costa conta que em determinado momento de sua vida escreveu num papel de pergaminho: “sou una fracassada”; depois, assinou-o com uma gota de seu sangue e o queimou.

No lugar em que fez isso, plantou uma flor e começou a desenhar sua realidade liberada dessa maldição (É um ato 'psicomágico', onde nos liberamos desses códigos que recebemos de nossa família).

Um contrato é um acordo entre duas partes que se comprometem a dar algo e a receber algo em troca. Mas nem todos os contratos estão no papel, nem sequer são verbalizados ou tampouco estão no plano da consciência.

Mais ainda, como no caso do nome, há contratos que aceitamos em desigualdade de condições, porque se 'selam' na mais tenra infância e a criança intui que o seu não cumprimento implica não ser querido, o que significa a morte.

Nosso cérebro mais primitivo nos dita a ordem de obedecer quando a ameaça é ser expulso do clã.

Estes contratos podem afetar nossos quatro egos



Exemplos de contratos intelectuais:

Muitas das crenças que carregamos são contratos que mantemos com nossa árvore genealógica, ideias que nos transmitiram desde nossos bisavós e que não podemos questionar (Devemos nos desfazer de qualquer crença que não seja bela e útil para nós mesmos).

a) “Você será advogado como os homens prósperos dessa família" - (Em árvores genealógicas onde o artista é considerado um morto de fome, e que realmente não pode fazer mais nada).

b) “Nessa casa se fala a língua cristã" - Não me venha com ideia de estudar idiomas ... você só tem que falar uma língua: a materna.

c) “Você é desajeitado como sua mãe” - Uma profecia que atua como maldição e acaba se cumprindo.

d) “Na vida temos que deixar as coisas da forma como as encontramos" - Sinal de que a árvore parou de crescer e se desenvolver.

e) “Um filho nunca deve superar seu pai” - Uma loucura absoluta que se conecta com a neurose do fracasso.

Os contratos intelectuais são como as “ideias irracionais” descritas por Albert Ellis, raízes de nossas emoções perturbadas e comportamentos desajustados.