terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

O Diálogo de Dez Anos




Mas qual o seu Desejo?

Não permitir que nada externo me atinja, não esperar retorno, nem mudança de ninguém. E
principalmente não dar ajuda a quem não pediu.

De que forma você espera que esta estratégia lhe leve até seu futuro desejado?

Levar, ela não vai... mas vai tirar esse meu impulso de querer impor uma mudança de uma
maneira brusca, assim da noite pro dia... ficaria mais tranquilo para amá-lo como ele é.
Aceitando e tendo serenidade para poder realmente ajudá-lo e não impor ajuda!

Se você tem usado esta estratégia para que ela lhe leve ao futuro desejado, mas esta dizendo
que esta estratégia não é capaz de leva-lo ao futuro desejado, então, porque tem usado esta
estratégia?

Porque sinto a impotência perante ao outro... a unica coisa que posso fazer além disso é estar
disponível quando ele quiser ajuda, é mais ou menos isso. Seria como aceitar a vida, e me
livrar desses pensamentos de querer impor a mudança, no meu momento e deixar o
momento dele aflorar. Isso não vai me eximir da responsabilidade de orientar, chamar
atenção quando for necessário e não ficar só esperando que ele faça isso. Impotência... não
estou vendo outra no momento... fica bem claro pra mim que é como ficar correndo atras do
rabo.

Eu querer o bem dele e ele querer o bem dele, da maneira dele.

O que será que esta impotência que você está sentindo perante o arbítrio do outro está lhe
dizendo sobre o arbítrio do outro? Algum palpite? Você não pode pegar um chicote e bater
nele até ele lhe obedecer? Não pode chantageá-lo? Enfim, não tem muitas maneiras de você
chegar até seu futuro desejado? E como você vai se livrar do que você quer, se você quer? E
você quer o bem dele pra que? Não é porque o bem que você quer pra ele irá resultar em
algum bem pra você? E você não quer o mal dele por que? Não é porque o mal dele resultar
em algum mal pra você?

Que não tenho controle sobre o outro. Poderia espancá-lo, impor na marra, mas não quero
isso. Vai contra o que acredito, querer não é poder. Mas o bem estar para ele,
consequentemente para mim e crescimento para ele não ter que aprender pela dor.

Hahaha... Querer é poder o que é possível. Quanto tempo faz que você vem tentando
controlar o outro? Já conseguiu? Quanto tempo faz que você vem tentando se livrar do seu
desejo? Já conseguiu?

Você disse que não tem o controle sobre o outro. Tá claro isto? Tá óbvio? Tá evidente? Ou
seu melhor amigo e conselheiro infalível, o sofrimento, precisa continuar latindo, para que
você desperte pra isto?

Hehe... não aguento mais os latidos dele! Agora quanto a se livrar das recaídas no desejo de
controlar o outro, não seria possível? É algo que irei que aprender a conviver?

Ótima pergunta! Que bom que veio a tona! Bom pra todos nós! A questão do desejo e do
controle é uma das principais pedras de tropeço na conquista do bem viver. A questão do
desejo e do controle é uma das principais pedras de tropeço na conquista do bem viver.
Grande parte dos ensinamentos filosóficos e religiosos que habitam nossas cabeças, senão
todos, propõe a negação do desejo como forma de bem viver. É assim que transformamos o
antidoto em veneno. Vamos tentar!

Desejo é objetivo (é o que você quer)
Controlar o outro é uma opção estratégica (é como você busca realizar seu desejo)

Desejo não é opcional, pois você é desejo (vontade).
Estratégia é opcional.

Ou seja, nem você, nem ninguém "quer controlar o outro". O que você e todo ser humano
quer é realizar seu desejo. Agora, a estratégia que a maioria de nós tem optado para realizar
seus desejos é controlar o outro (outroísmo). Não é a única opção estratégica. E sempre
resulta no oposto do que promete. Promete bem viver e entrega mal viver. Mas ainda assim é
a opção mais optada.

Sendo assim, entende que você não quer controlar seu próximo, mas você está optando por
uma estrategia outroísta submissa? Ou seja, entende que você está esperando que o outro
assuma a responsabilidade de realizar seu desejo por você? Mas que desejo é este? Percebe
que também está confuso? Que ainda não está explicito? Percebe estas coisas? Estão claras?
Faz sentido?

Sim, fica claro minha confusão nesse ponto. A confusão no desejo... eu queria, mas porque?

Que tal descobrir seu desejo? Assumi-lo. E mudar de estratégia de realização?

Agora, não quero mais! Acho que me conscientizei disso, só não estava conseguindo definir,
quando você descreve o desejo e a estrategia, fica mais claro. Vamos la, ver se entendi!

Desejo meu era vê-lo melhorar.
Minha estrategia era ficar passivo esperando ele melhorar.

Agora eu tenho o desejo dele melhorar, mas to nem ai se ele vai melhorar ou não. Vou
continuar vivendo e convivendo, ou seja, não preciso, necessariamente, seguir esse desejo,
posso apenas senti-lo e não querer atuar nenhuma estratégia. É isso?

Não! Esta é sua estratégia outroísta submissa. Vê a beleza dessa sensacional brincadeira?

Hehe... meio sem graça, né?!

Para descobrir o implícito é necessário investigar o explícito, mas só para retirar o implícito
do explicito. Seu suposto desejo de ver seu próximo melhorando, não é seu desejo, é a
estratégia submissa que você está usando para realizar seu desejo. Seu desejo é outro. Seu
desejo está implícito, inconsciente.

Depois desse dialogo, mudei a resposta! Não tenho realmente certeza, como você disse,
porque está meio camuflado em outros desejos, mas Eu quero aprender a realmente amar o
próximo, como ele é e não como eu acho q ele deveria ser. Eu não quero stress!

Este passo é o mais difícil, porque é aqui que você assume seu desejo e diz para o seu amigo
fiel e conselheiro infalível que já entendeu a mensagem, ou então, que joga um sapato na
cabeça dele e tenta voltar ao sono profundo. Vou te levar até a porta. Atravessá-la é contigo.

Vamos então!

O que você não quer é ver o comportamento irresponsável (inconsciente) do outro que é
uma criança. O que você quer é o outro (que é uma criança) se comportando
responsavelmente (consciente de tudo).

Isso! Eles agem como crianças que ainda não aprenderem a crescer!

Como você se sente? impotente? fraco? submisso? acuado? subjulgado? padastro? rejeitado?
ignorado? Como? Você gostaria de se sentir como? potente? pai? provedor? forte?
relevante? Como?

Pular na sombra?

Talvez... a escolha sempre é sua.

Me sinto ignorado e queria ser mais respeitado. Não quero ser ditador, nem um babaca.

Ninguém quer! Hehehe, até quem diz que quer, o quer! O que é respeito?

Respeito é não ultrapassar o limite do outro, ao que começa a incomodá-lo, a magoá-lo.
Desrespeito seria somente impor minha vontade sem me preocupar com suas consequências,
se vai ferir o outro.

Sendo que limite é o que circunda um espaço em particular, você quer privacidade
(respeito). Quando pede respeito, quer que respeitem sua privacidade ou cumpra o
combinado de convivência?

Minha dificuldade é achar o meio termo nessa historia... até aonde seria combinado e até
aonde seria meu desejo de ver o outro agindo como ajo, seguindo meu caminho, por um
inconsciente, ou um trauma, não sei, por ter tido essa obrigação desde cedo? Sinceramente,
fico ainda na duvida, não do que quero, mas o que realmente está atras desse EU QUERO.
ficou claro?

Para você saber se é ou não este seu desejo, é só você imaginar seu desejo já realizado. Se
sentir na imaginação está no bem viver, só isso. hehehe... creio que entendi o que você quis
dizer, mas filosofa não resolve. Se resolvesse você não estava nem sofrendo, nem
reclamando, nem optando pelo outroísmo. Você quer Paz?

Isso! Eu quero Paz, consequentemente Não quero ME estressar, ou deixar que me estressem.
No mundo de hoje nao haver stress, acho impossível.

Pois, o que você mesmo está se contando aqui, é que seu desejo não é Respeito. Você quer
PAZ.

Sim. Então esse desejo real disfarçado pelo respeito, seria a PAZ? Dai eu não quero a
estratégia outrista impositiva, e caio automaticamente na submissa esperando dele mudança
para eu ficar em paz? E como seria aplicar a estrategia egoísta nisso? Aceitar o fato e
conviver numa boa, relevando o que dá e chamando atenção quando for demais?

Só que, por outro lado, algo em você diz pra você não colocar em prática sua estratégia
outroísta impositiva de fazer ele acatar suas Certezas. E dai, você usa uma estratégia
outroísta submissa e se proíbe de realizar seu desejo de paz. Só que não resolve, porque nem
de um jeito, nem de outro você realiza o que você quer: PAZ.

Positivo! O que me bloqueia são as experiencias pessoais, imposição nunca funcionou,
sempre gera ressentimentos, raiva e pode criar traumas.

Nem submissão, nem imposição, resolvem bem viver.

Já entendi que o problema sempre sou eu! Meu desejo de algo, não tem como não ter o
desejo, pois ele sou eu, mas posso não atuar na estrategia de conseguir esse desejo. Correto?
Isso na seria uma submissão? ou admissão de impotência perante ao outro, conforme
falamos acima?

Reconhecer sua completa, absoluta e irrestrita impotência perante o viver do outro é a mais
sábia coisa que você pode fazer na sua experiência humana. Reconhecer sua completa,
absoluta e irrestrita impotência perante o viver do outro é você pegando de volta sua
completa, absoluta e irrestrita potência perante o seu próprio viver. Só quando você
reconhece sua impotência perante o viver do outro, você tem sua potência de volta. Caso
contrário, você passa a vida inteira gastando sua potência na impossível e ilusão tentativa de
fazer o impossível: viver o viver do outro.

Também vejo dessa forma. Então no fundo, mesmo acreditando nisso a alguns anos, sempre
me repetindo isso, ainda não aprendi realmente isso. O que é preciso para essa completa e
eterna admissão? É aquela historia do Desejo e da Estrategia? Nâo tem como se livrar,
somente não atuar em nenhuma estrategia? Como aplicar a estrategia egoística, o egoismo
consciente?

Como é que você faz pra abrir a torneira?
Abrindo a torneira!
De que lado para que lado?
Geralmente anti-horário.
Como é que você faz pra trancar a porta? O que você faz com a chave?
Coloca na fechadura e roda pra um lado, pra destrancar roda pra outro.
Isto! Se vpcê gira a fechadura pra um lado tranca, para o outro lado, abre, não é?
Correto... mas não consigo entender essa analogia para a estratégia egoísta. Seria não se
preocupar com o outro. Difícil acostumar o cérebro com isso, depois de anos, vivendo
assim.
Calma! Isso aqui é para sua vida inteira e vai saber quantas mais!
Ok! vamos então...
Vamos assumir que girar a fechadura no sentido horário faz trancar. E no sentido anti-
horário faz abrir, ok. Sendo assim:
Se está trancado e você quer abrir, o que deve fazer?
Girar sentido anti-horário... contrario do atual.
Isto! Basta girar no sentido oposto, certo? e girar é seu objetivo? Girar é o que você quer?
O que eu quero é aprender a mudar desse outruísmo arraigado para o egoismo. mudar o
polo.
hehehe Está vendo? O mesmo equivoco que você está cometendo com a fechadura, você
está cometendo com o outro. Você está tentando virar ele. É por isto que por mais que vire e
mexa, continua no mal viver.

Eu perguntei:
Se está trancado e você quer abrir, o que deve fazer?

Você respondeu:
Girar
Porque você está girando a chave, qual é seu objetivo?

AH sim... agora entendi... em relação, a situação, sim, seria mudar ele bruscamente,
impositivamente!
No caso da porta estar trancada e você querer abrir, girar é o que?
Destrancá-la?
Outra vez. Vamos lá. Se você quer abrir a porta o que você quer?
Abrir a porta!
Isto!
Abrir a porta é seu objetivo (desejo)
Girar é sua estratégia.

Hummm... não entendo muito bem essa analogia.
Se a estratégia de gira a chave no sentido horário faz a porta fechar e você quer (tem o
objetivo) de abri-la, o que você deve fazer?
Girar ao contrario!
Aê! Se a estratégia de viver de forma outroísta faz sua PAZ fechar e você quer (tem o
objetivo) de abri-la, o que você deve fazer?
Positivo, isso já me conscientizei, só não consigo visualizar essa mudança assim tao fácil.
Qual o oposto do sentido horário?
Sentido anti horário.
Como é que você sabe?
Por conhecimento do termo padrão e universal.
Isto! Você sabe o que é pra um lado porque você sabe simultaneamente o que é outro lado.
Você sabe o que é calor porque você sabe simultaneamente o que é frio. Você sabe o que é
bom porque você sabe simultaneamente o que é ruim.

Egoismo seria sentir o Desejo e não agir em nenhuma estratégia?
O que é outroísmo?
Viver em função do outro, seja impondo ou passivamente.
Qual é o oposto disto?
Colocar meu bem estar em minhas mãos.
Qual é o oposto de "viver em função do outro, seja impondo ou passivamente"?
Não viver em função do outro.
Pronto! Você acaba de se explicar o que é egoísmo e como se faz pra retornar ao bem viver.
Se viver é conviver. como não conviver em função do outro? ou como conviver sem viver
em função do outro?
Função é objetivo?
Não... diria que nesse caso, conviver bem seria o objetivo.
Ok, então seu objetivo é conviver bem. E qual é a estratégia que você está usando para
realizar seu objetivo? posso adivinhar?
Até agora, a do atrapalhado. Tropeçando toda hora na mesma coisa, que achava que já tinha
aprendido. A admissão da impotência perante ao outro, mas que no fundo, deve ser
relembrada a todo o momento. Estou querendo colocar em pratica a do Egoismo, mas fico
tentado ainda a me preocupar com o bem-estar do outro, porque? não sei, questões socio-
culturais, aprendi que O HOMEM DE FAMÍLIA, deve se fuder em prol do bem estar dos
filhos... deve ser isso! Que no fundo não leva a nada!
...
Tente entender, o termo Egoísta, na minha cabeça, tem um significado diferente do que você
me proponhe agora. Então começar a pensar assim, gera um conflito, mesmo que seja
inconsciente, no qual ainda tenho que superar. Ou entender melhor, não sei.
Já está se superando. Você está se permitindo se analisar pra se entender e se dar um bem
viver. Você está sendo egoísta. hehehehe... Aliás, eu nunca falei isto, mas vou falar agora.
Outroísmo também é egoísmo, mas é um egoismo que não funciona... hehehe só isto.
Egoísmo é um egoismo que funciona. Esta é a única diferença. Sair da UTI da omissão
direto pra balada Rave da assunção é inviável mesmo.
Essa foi boa! Então a progressão é gradual, até porque vivi anos pensando de uma maneira e
não será da noite pro dia que mudarei esse modo de pensar...
Claro! A regeneração, pra usar um termo famoso, é passo a passo! É exatamente por isto que
a gente divide a eternidade em pequenas frações de eternidades (agora). Pra caminhar passo
a passo, momento a momento.
Seria esse o caminho para começar a viver no egoismo? ou não existe fórmula? O egoismo
seria seguir o coração?
Pelo contrário, as formulas são infinitas, e sempre flexíveis as situações. O que não muda é a
essência da formula. Essência de outroísmo produz formulas outroístas. Essência de
egoísmo produz formulas outroístas. Contanto que você esteja esclarecido e decido em sua
opção essencial: outroísmo ou egoísmo. Daí, viver é brincar de improvisar formulas infinitas
a partir da mesma essência. O caminho do bem viver é o egoismo. Não adianta virar a chave
no sentido horário e depois ficar reclamando que não abre o bem viver. A chave não tem
arbítrio. Quem opta entre estratégias, outroístas ou egoístas, é você. Se você não optar pelo
que leva ao bem viver, pelo que abre o bem viver, de que adianta, ficar reclamando do mal
viver. Primeiro passo é estar o mais esclarecido possível sobre isto e assumir a
responsabilidade.
Entendo, até a perfeita prática do egoismo, ficaríamos ainda, vivendo na alternância do
egoismo para o outruismo.

Ahhhh... até você se tornar O Michael Jordan da experiência humana. Hehehe... Mas as
circunstancias também não dão mole não... hehehe... Mas esta é outra história. Prossigamos.

Tenho que procurar o Caminho da Equanimidade, depois desse diálogo, fica claro, que o
problema não era o comportamento do outro e sim, minha antiga mania de controle.
Admitindo a impotência perante ao outro, deixando cada um livre para ser o que quer, fica
mais fácil. Reconhecendo que essa velha mania é Desejo, desejo sou eu, impossível não ter,
então basta não atuar em nenhuma estratégia em cima desse desejo. Porque ele só pertuba
meu sofrimento, fazendo ele latir cada vez mais.

A Estratégia egoísta, no momento, será seguindo meu coração, tentar um equilíbrio de
convivência. Aceitar mais, perdoar mais e entender mais. Simplesmente viver e conviver,
sem querer que as coisas girem ao redor do meu umbigo. Acho que é o passo inicial para se
praticar a estratégia egoísta na minha vida e com o tempo ir aperfeiçoando ela.

Creio que você se esclareceu um bocado sobre o desejo, o livre arbítrio e o bem viver, mas
também creio que tem vários aspectos destas questões para você esmiuçar e se esclarecer
mais. Creio que com a prática, melhor do que com qualquer coisa que eu lhe diga agora, esta
clareza virá. Sendo assim, vou apenas lhe sugerir duas estratégias egoístas, que são
derivações apuradas do que você disse "Viver e conviver, sem querer que as coisas girem ao
redor do meu umbigo"...
Ok!

ESTRATÉGIA EGOÍSTA: Viver e conviver com o outro de igual para igual, de diferente
para diferente. Sem impor que o outro gire ao redor da minha superioridade (umbigo), nem
me submeter a girar ao redor da superioridade do outro (umbigo do outro). Viver de igual
para igual, é viver de diferente para diferente. Creio que esta é a tal da equanimidade que
você está buscando tanto. Aplicando esta equanimidade, mais especificamente ao seu fato
indesejado, fica assim:

ESTRATÉGIA EGOÍSTA: Viver e conviver com o próximo de igual para igual, de diferente
para diferente. Sem impor que o próximo gire ao redor da minha postura consciente (adulta
e madura), nem me submeter a girar ao redor da sua infantilidade (sua conduta inconsciente
e imatura).

Faz sentido? Gosta das sugestões? Opta por alguma? O que me diz?

Positivo! A melhor opção no momento, seria essa, devido a minha limitação da prática.
Viver e conviver com o próximo de igual para igual. Sem impor que o próximo gire ao redor
da minha postura consciente (adulta e madura), nem me submeter a girar ao redor da sua
infantilidade (sua conduta inconsciente e imatura).
Solte a imaginação e procure criar um simbolismo bem pessoal e representativo, quanto
mais for assim, mais poder terá em lhe ajudar na realização da sua estratégia egoísta.
Esse diferente para diferente, entendo como respeito mutuo, ou seja, cada um no seu
egoismo, sem que ultrapasse o limite do outro e vire um outruismo impositivo pra um e
submisso para outro.
Sim. o outro é igualmente diferente de você, assim como você é igualmente diferente do
outro. Então, vamos fazer a imaginação funcionar, consegue criar um simbolismo
representativo do seu desejo?
Sim! No momento em que esse desejo, de controle do outro, de correspondência do que
acho certo, ou seja lá o que for, da submissão ao outro do meu umbigo. Visualizar um
penhasco, como um conjunto de montanhas bem alto e um buraco escuro no meio. Do qual
me jogaria de braços abertos e despertaria ali mesmo parado, sem nunca ter me jogado. E
me conscientizaria que apenas joguei o Desejo abaixo e fiquei ali, sem esse desejo.

Acredito que posso evitar agir no desejo, deixar se senti-lo, nunca, mas não agir em cima de
nenhuma estrategia criada pela mente, ao sentir o desejo, e quem sabe um dia, acostumar a
mente a não criar mais estratégias, apenas sentir o desejo e jogar ele penhasco abaixo!

Não! Ainda tem uns equívocos de entendimento obstruindo seu auto êxito. É IMPOSSÍVEL
você jogar seu desejo fora, pois você é seu desejo. Você quer PAZ porque você é PAZ e,
dentro da experiencia humana, você está enfrentando o desafio de realizar na forma humana,
a paz que você já é sem forma alguma. Sendo assim, o que você joga fora é a ESTRATÉGIA
OUTROÍSTA e não o OBJETIVO (seu desejo de paz).
Hum...
Observe, perceba e entenda, você não quer controlar ninguém. Ninguém quer controlar
ninguém. Controle não é desejo (objetivo), controle é ESTRATÉGIA. Você optar pelo
CONTROLE como uma estratégia para realizar seu desejo (PAZ). Isto faz com que você
viva mal, porque você coloca um intermediário entre você e a realização do seu desejo. Você
terceiriza a realização do seu desejo. Você responsabiliza o outro pela realização do seu
desejo. Quando você desiste de terceirizar a realização do seu desejo. Quando você mesmo
assume a responsabilidade de realizar o seu desejo, dai você obtêm auto êxito e bem viver,
pois você sempre pode contar com você, e realizar a si mesmo, é bem viver.
Sendo assim, minha sugestão de SIMBOLISMO REPRESENTATIVO para o seu caso,
retirando sua confusão entre objetivo e estratégia, fica assim:

SIMBOLISMO REPRESENTATIVO
Visualizar um penhasco, como um conjunto de montanhas bem alto e um buraco escuro no
meio. Do qual me jogaria de braços abertos e despertaria ali mesmo parado, sem nunca ter
me jogado. E me conscientizaria que apenas joguei minha estratégia outroísta abaixo e
fiquei ali, comigo mesmo e com minha nova opção estratégica, que é assumir a
responsabilidade pela realização do meu desejo de PAZ.
Faz sentido? Esclareceu? Gosta do simbolismo? Foi o que quiz dizer? O que me diz?

Positivo... seria isso mesmo! A ideia inicial era jogar os dois, mas percebo claramente que o
desejo continua e pode voltar, correto? Então o melhor é abandonar somente a estratégia.
concordo sim! Sabe qual foi meu equivoco?
Hum...
É ter entendido, mas a mente ainda está acostumado com velhos padrões de raciocinio, vai
ser um trabalho duro!

A possibilidade de optar pela estratégia outroísta continua sim, mas outroísmo não é desejo,
outroísmo é estratégia. Outroísmo é uma das duas possibilidades estratégicas de realização
do desejo dentro da experiencia humana. Me parece que você enroscou no desejo,
provavelmente porque acredita que desejo é pecado, ou que desejo é a causa do sofrimento,
como dizem alguns ensinamentos espiritualistas. Este é um equivoco comum. Desejo é a
energia na tomada que é você, se você vai optar por realizar seu desejo de forma outroísta ou
egoísta, esta opção é uma opção estratégica. Sugiro que você se esclareça o máximo que
conseguir sobre isto, que deixe evidente para si mesmo o que é desejo e o que é estratégia de
realização do desejo. Quanto mais você se esclarecer sobre este equivoco, mais auto êxito e
bem viver pra você.
To tentando juntar os cacos que todo os ensinamentos espiritualistas antigos deixaram!
Perfeito! Para brincar de se limpar, primeiro é preciso brincar de se sujar, não é mesmo?
Hehehe.
Hehehe... já estou bem sujo! Concordo!
Todos estamos! Eu também estou. mas estamos decidindo mudar de brincadeira. Olha como
está atualmente?
Verdade.
Então vamos recapitular:

EU QUERO: PAZ
NÃO QUERO: STRESS (GUERRA)

ESTRATÉGIA EGOÍSTA: Viver e conviver com o próximo de igual para igual, de diferente
para diferente. Sem impor que o próximo gire ao redor da minha postura consciente (adulta
e madura), nem me submeter a girar ao redor da sua infantilidade (sua conduta inconsciente
e imatura).

SIMBOLISMO REPRESENTATIVO: Visualizar um penhasco, como um conjunto de
montanhas bem alto e um buraco escuro no meio. Do qual me jogaria de braços abertos e
despertaria ali mesmo parado, sem nunca ter me jogado. E me conscientizaria que apenas
joguei minha estratégia outroísta abaixo e fiquei ali, comigo mesmo e com minha nova
opção estratégica, que é assumir a responsabilidade pela realização do meu desejo de PAZ.
Concorda?

Positivo!
Ponto final?
Sim!
Foi um prazer e uma honra poder caminhar com você por sua unicidade e acompanhar seu
processo de esclarecimento.
Muito obrigado mesmo! Tanto tempo procurando uma resposta e ela estava dentro de mim!
E quanto tempo está nesse diálogo consigo mesmo?
Uns 10 anos!
Quanto tempo né?
Éeeee... Mas não estou tão mal assim, tem gente que tá nessa conversa há 50 anos!
...
hahahahahaha...
E os dois riram juntos, pois o aprendiz acabará de lembrar que tinha esquecido o que acabará de aprender!
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esse texto