domingo, 3 de junho de 2012

Da Ilusão das Cidades Espirituais - parte II



Por Anton Kiudero

O mundo dos espíritos humanizados sem carne é um mundo bom para seres humanos. É porque ele contém tudo aquilo de que você gosta hoje. Tudo o que você gosta tem lá. Agora quem vai para lá, volta à encarnar em mundo de prova e expiação. Acontece que a próxima encarnação para prova e expiações não será mais neste planeta.

Quem sair da carne nesse momento não vai poder continuar a encarnação no planeta Terra, pois este planeta vai elevar-se. Quando se encerrar o processo de transição planetária, a Terra vai receber espíritos em regeneração e não mais em prova e expiação. Quem estiver em prova e expiação vai para outro planeta. Quem vai para as “cidades espirituais” é quem for humano. Isso porque as cidades espirituais são o mundo dos humanos sem carne.

No entanto, se você teve uma vida liberta da materialidade, se não depende mais da materialidade para ser feliz, vai para outro lugar. Agora, se ainda precisa da materialidade para ser feliz, vai para onde está a matéria. Por isso nas cidades espirituais tem tudo o que temos aqui e de que gostamos, porque são criadas a imagem e semelhança da Terra. Essas cidades não foram criadas por alguma entidade superior, foram plasmadas por nós. Foram plasmadas pelos espíritos que precisam dessa forma.




Mas, porque são necessárias estas cidades? Porque no Universo não existem espaços circunscritos. Os Espíritos se reúnem por afinidade. Sendo assim, se existe espírito humanizado sem carne, eles precisam de um lugar para se reunir com seus afins. Juntos, eles plasmam o que querem para si. É por isso que existe cidade espiritual que é mais industrializada, outra que é mais mata, outra ainda que possui mais diversões. Elas foram plasmadas em comum por espíritos afins que gostam daquilo.

Essas cidades são plasmadas pelos espíritos que lá estão e eles os plasmaram de um determinado jeito, que é do que eles gostam. E, todos que têm afinidade com aquilo, ou seja, gostam daquilo, vão para lá e ajudam a plasmar. É preciso não confundir ser humano sem carne e ser humano que não sabe que está morto, pois são duas coisas diferentes. Tem muito ser humano que morre e não sabe que está morto. Ele continua aqui onde vocês estão. Se você não sabe que morreu, o que você vai fazer? Vai continuar dormindo na sua cama. Vai continuar acordando todos dias pela manhã, tomando café com a sua esposa e pegando o seu carro ou o seu ônibus par ir ao trabalho. As cidades espirituais são formadas por aqueles que sabem que morreram, mas plasmam o que eles estão acostumados a viver.

Vocês já pararam para pensar por exemplo, onde está localizado o câncer? No corpo... Será que o espírito quando desencarna precisa curar no hospital o que era do corpo? É isto que informa boa parte da literatura espírita. Se morrer de determinada doença, precisará ir para um hospital para se curar da doença terrestre. Mas, o câncer está no corpo. Quem vai comer o corpo é o bichinho da terra... Apesar disso o espírito precisa sim ir para um hospital no mundo espiritual. Por quê? Porque ele acha que está com câncer. Uma coisa é estar doente e outra é ter uma doença. Ter uma doença é uma coisa física, uma coisa material e estar doente é uma coisa mental: sentir-se doente... Quando o ser humanizado se sente doente, se morrer, leva a doença. Em outras palavras, é o que nos conta o espiritismo: a doença está no perispírito. Na verdade não está no perispírito, pois este corpo também é um nada. A doença está na mente.

A única coisa que existe é o processo mental dos espíritos. A partir do momento em que a doença está na mente, quando o ser humanizado desencarna, a leva. Este ser vai estar doente e vai precisar ir para o hospital. Portanto espírito algum jamais mentiu ou inventou alguma historia para transmitir aos encarnados. Transmitiu apenas o que para ele é uma realidade apesar de ser uma ilusão existente unicamente em sua mente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esse texto