sábado, 21 de maio de 2011

A Questão dos Apegos - Ego, identidade, alteridade e o EU (Mooji)

 

Após assistir rapidamente alguns vídeos do Mooji, que me parece ser de alguma forma, seguidor da Filosofia do Nisargadatta, o que vemos é que, nós sofremos sempre pelos apegos que temos, e isto, mesmo quando estamos brigando com alguém. Estamos exigindo ATENÇÃO, quando brigamos, quando arrumamos um problema.


E isto acontece entre familiares, parentes e amigos, porque, para nos projetarmos socialmente, precisamos ter alguém por trás, que é para fazer o nosso marketing;  para cuidar de todos os pormenores enquanto "trabalhamos duramente" para "sermos alguém" não é mesmo??

E o que é esse "ser alguém" - obviamente que é o contrário de "zé-ninguém" - senão criarmos um ego que seja aceito e aplaudido socialmente?

Pois que, quando nossa esposa nos desonra, ou nossos filhos ou pais se negam a aceitar o nosso valor, ou mesmo questionam ou desprezam esse valor, surge uma raiva muito grande não é mesmo? Essa raiva surge porque, essas pessoas que julgamos amar, mas que só temos apego, se negam a dar esse apoio, com o qual nos tornamos pessoas importantes e reconhecidas socialmente.

É mais ou menos isso que eu entendi no vídeo do Mooji sobre o apego.

Nós, normalmente, não enxergamos a realidade como um todo porque nossos sentidos sempre selecionam as partes da realidade que nos são agradáveis. Assim, notamos os nossos amigos ou a garota pela qual estamos apaixonados na rua, mas pode acontecer - e isto não é raro - que, diante de tais pessoas, possamos mesmo esbarrar em algum conhecido e nem notá-lo!!

Uma câmera filmadora vê mais do que os olhos humanos, não só pela sua tecnologia, que, à conta dos telescópios são como extensões dos olhos, mas principalmente porque ela não faz julgamentos ou objeções.

Quando julgamos ou objetamos, sempre vemos aquilo que queremos ver; aquilo que satisfazem o nosso ego e o nosso desejo de prazer, e assim, o TODO nos escapa; a realidade nos escapa, e só vemos aquilo que é aparente e, portanto, ilusório, já que vemos o que está condicionado, vemos apenas o que já esperamos ver.  

Ego é ausência de auto-conhecimento: quando não sabemos quem somos, nos apegamos a qualquer "modelo", a quaquer "juízo" que façam de nós, e terminamos por aceitar, aquilo que os outros pensam de nós, como sendo nós mesmos. É assim que é construído o ego. E a identidade, passa ser uma identidade conferida a partir da alteridade.

Esse é talvez, o nosso maior desafio: desfazer essa auto-imagem que não é senão uma imagem idêntica à imagem do espelho, espelho esse que é a alteridade, o outro, a partir do qual temos alguma idéia do que nós somos, isso até realmente se dar o auto-conhecimento.

Enquanto a idêntidade corresponder à imagem no espelho da alteridade, jamais poderemos espelhar Deus, que é o nosso EU, cujo espelho de água está turvado por esse falso reflexo do outro, que nos dá o ego, e nos impede portanto, de ver a nós mesmos como realmente somos, o que (não quem) somos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente esse texto